A vida

17353220_1370542309651536_3554964768141478116_n
A vida não são ontens!
A vida é hoje e agora. Essa é uma verdade nua e crua.
A vida é para ser comida à mão sem qualquer formalidade. Só assim ela será uma realidade e não um desperdício.
A vida é a lei do destino. Uma história onde não existem rascunhos. Tudo é uma peça de teatro sem qualquer encenação.
Escuta-me por isso vida, dá-me esse tempo de que tanto preciso para viver este amor, que chegou talvez ainda a tempo, de saciar o coração que estava com fome de amar.
Deixa-me saborear cada segundo desta paixão que me fez descobrir que afinal sou um corpo com vida que ainda sente desejo.
@angela caboz

Chove lá fora!

48407454_972871566233383_4104657947949268992_n

 

Chove lá fora!

Vejo a chuva bater na minha janela e ouço o vento a fustigar as árvores. Está frio e as flores não querem sorrir. Chove lá fora porque uma tempestade anda por aí à solta.

Mas sabes meu amor, também chove cá dentro.

Chovem saudades dentro do meu pobre coração que está aqui oprimido entre o medo e a saudade. Ele tem medo que a tempestade te empurre para outros lados, que te leve de volta ao passado. E eu tenho saudades dos teus abraços, vontade de voltar a ouvir as tuas palavras de amor que me ensinaram como se cura uma dor.

Estou aqui enrolada num cobertor, recordando todas as promessas que me fizeste. O vento da saudade traz-me o som daquelas palavras ternas com que sempre me embalavas antes de dormir. Sinto o cheiro da rosa branca que me prometeste, dizendo que elas se pareciam comigo por serem tão bela e puras quanto a minha alma.

Neste dia frio, olho pela janela e procuro o teu olhar lá fora. Procuro-te no meio do nada, sem saber se voltas ou se fico aqui abandonada, entregue à solidão que sempre me castigou. E na incerteza sobre o que será o futuro, escuto o teu silêncio que não me quer falar. O sofrimento cresce à medida que o pensamento duplica a saudade que dorme aqui mesmo ao meu lado. A saudade é o rosto dos nossos sonhos de futuro que agora são apenas lembranças que andam nas mãos da tempestade que corre lá fora. 

A tempestade empurra-te e eu tento segurar-te, mas sinto que na realidade estou a ficar sem forças, tudo porque sei que estou a lutar sozinha.

Lá fora chove, mas é dentro de mim que a tua ausência alaga a minha esperança de poder ser feliz. O vento do sofrimento é mais forte cá dentro do que lá fora. Ele esvazia tudo o que o teu amor coloria e agora que as noites vão voltar a ser escuras, tão escuras que não irei saber por onde os meus pés andam enquanto caminho ao acaso por esse mundo onde te procuro sem saber onde te encontrar. Esse mundo onde me desencontro e te continuo a amar.

Serei louca, talvez mas é sempre assim que ficam as mulheres que provam a magia de serem amadas e um dia acordam despidas e sem as mãos do seu amante. Assim são as mulheres a quem o amor foge por entre os dedos das mãos dizendo-lhes que vão até ao passado porque deixaram lá algo que lhes pertencia. Loucas são estas mulheres que amam desesperadamente e a quem o amor não as quer. 

Chove lá fora meu amor, mas é no meu coração que mora a dor. A dor que tu não quiseste calar, no momento em que com poucas palavras suicidaste a esperança que ainda me alimentava a possibilidade de ser feliz. 

Sou agora uma moribundo que o mundo vê a andar nas ruas escuras onde nem a chuva quer chegar. O fantasma do sofrimento de que todos fogem e que se vai sentar num beco solitário onde só a lua irá espreitar, dizendo-lhe a sorrir que o amor o voltou a enganar.

E sabes amor, tudo alimenta esta saudade que traz de volta a tua voz. A chuva que me lembra o teu sorriso e o vento que te levou de improviso. Esta paixão que me sufoca pedindo-te que voltes para os meus braços.

Mas não te esqueças meu amor, não te esqueças que partiste e deixaste aqui um pouco de ti. Deixaste aqui tudo o que tu és e que faz falta para me fazer sorrir como uma gaiata apaixonada. 

Eu sei, sei que um dia vais voltar porque ninguém é feliz tentando remendar o passado. Um dia tu vais olhar para o tempo já vivido e vais quer voltar e  a saudade vai-te dizer que eu estou aqui a chorar por ti.
  

@angela caboz

Imensidão

woman-3456673_960_720

Trago a imensidão
escondida
num sonho projectado
a partir de desejos encontrados
por entre os espinhos da vida.
São pétalas de flores
por semear
nascidas em terrenos áridos
onde a tristeza não pisou
e a esperança acreditou
na existência de horas felizes
em que viveríamos
tudo o que não procuramos.
Abro
as gavetas da ilusão
e apenas encontro as migalhas
O que restou
das gargalhadas frias
a que o Inverno roubou
o espaço desse abraço
tão sonhado
que seria capaz de dar calor.
São esperanças esquecidas
de (a)braços de quem me fez feliz
sem ter medo do futuro.
@angela caboz